Semana Santa: a semana da vitória da vida sobre a morte

É a semana da nossa reconciliação com Deus. É a semana da vitória da vida sobre a morte

 

A Semana Santa na qual celebramos a centralidade da nossa fé, que teve início na entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, ou seja, a  subida de Jesus Cristo ao Monte Calvário, a Morte e a Ressurreição de Jesus Cristo para a nossa salvação; para nos resgatar das mãos do demônio e nos transferir para o mundo da luz, para a liberdade dos filhos de Deus. Jesus morreu na cruz para reconciliar o homem com o Pai. É a semana da nossa reconciliação com o Senhor, é a semana da vitória da vida sobre a morte, do pecado sobre a graça.

Quando os fiéis são batizados, aplica-se a cada um deles os efeitos redentores da Morte e Ressurreição de Cristo. Por isso, o cristão católico convicto celebra com alegria cada função litúrgica da Semana Santa, que começa hoje e termina na celebração do Tríduo Pascal e da Páscoa.

Assim recomenda a Santa Mãe Igreja que todos os seus filhos se confessem, para que, correndo com Cristo do pecado, possam com Ele ressuscitar, na madrugada do Domingo da Páscoa para a vida eterna.

O tempo da Quaresma se prolonga até a Quinta-feira da Semana Santa. A Missa Vespertina da Ceia do Senhor é a grande introdução ao Santo Tríduo Pascoal. E este [Tríduo Pascoal] tem início na Sexta-feira da Paixão, prossegue com o Sábado Santo e chega ao ponto mais alto na Vigília Pascoal, terminando com as vésperas do Domingo da Ressurreição.

O Evangelho proposto para a Semana Santa, neste primeiro dia, é o de Jesus que volta a Betânia, seis dias antes da Páscoa, para manifestar Seu amor e carinho pelos amigos. Comove ver como o Senhor tem essa amizade, tão divina e tão humana, manifestada num convívio frequente. Nessa visita de Cristo a Lázaro, Maria e Marta, vejo-me também na condição de acolhê-Lo e recebê-Lo em minha casa e vida. Jesus vem me visitar hoje e eu quero recebê-Lo com o coração aberto, alegre e agradecido por merecer Sua amizade e confiança, assim como Ele foi sempre muito bem recebido por esses amigos de Betânia, em qualquer dia e a qualquer hora, com alegria e afeto. Como havia grande respeito, atenção e caridade entre eles, assim me comprometo a fazê-lo.

São milhares os que negam hospedagem para Cristo Jesus em seu coração, mas para o mundo e suas vaidades escancaram-nos; esses vivem com a alma cheia de vícios: a alma, sem a presença de seu Deus e dos anjos que nela se jubilavam, cobre-se com as trevas do pecado, de sentimentos vergonhosos e de completa ignomínia.

“Ai da alma se lhe falta Cristo! Que a cultive com diligência, para que possa germinar os bons frutos do Espírito! Deserta, coberta de espinhos e abrolhos, terminará por encontrar, em vez de frutos, a queimada. Ai da alma, se seu Senhor, o Cristo, nela não habitar! Abandonada, encher-se-á com o mau cheiro das paixões, virará moradia dos vícios”, diz São Macário.

Era costume da hospitalidade do Oriente honrar um hóspede ilustre com água perfumada depois de se lavar. De forma que, mal se sentou Jesus, Maria tomou um frasco de alabastro que continha uma libra de perfume muito caro, de nardo puro. Aproximou-se por detrás do divã onde estava o Mestre recostado e ungiu os pés e secou-lhes com os seus cabelos: Trata-se de Maria Madalena que, pela segunda vez, unge o Corpo Santíssimo do Nosso Divino Salvador. O nardo era um perfume raríssimo, de grande valor, que, ordinariamente, encerrava-se em pequenos vasos, de boca estreita e apertada. Quebrá-lo e derramar o conteúdo sobre a cabeça de alguém era, entre os antigos, sinal de grande honra e distinção.

Maria ofereceu o melhor para Cristo Jesus. Ela não ofereceu um perfume
barato, mas o melhor e o mais caro. E você? O que tem oferecido ao seu Senhor? Façamos também nós o mesmo; ofereçamos para Nosso Senhor aquilo que temos de melhor e mais precioso: o melhor cálice, a mais bela patena, o mais piedoso ostensório, os melhores paramentos, a nossa vida, tudo o que somos e temos. Pois, todo o luxo, majestade e beleza são poucos perante a tamanha grandeza de Jesus, nosso Mestre.

Acolhendo o mistério redentor de Cristo e Sua Palavra, meditando os acontecimentos da nossa redenção, só poderemos crescer na alegria e na paz do Deus que nos ofertou a vida. Deixemos, pois, que o Espírito de Deus tome conta de nossa existência, para que sejamos conduzidos à eterna alegria da salvação e da ressurreição.

Acolhendo o mistério central da nossa fé, desejo boa Semana Santa para você e a toda a sua família.

Autor: Pe. Bantu Mendonça Katchipwi Sayla

CARLO ACUTIS A CEREMONIA DE BEATIFICAÇÃO

 

HORÁRIOS DA TRANSMISSÃO DA CEREMONIA DE BEATIFICAÇÃO DE CARLO ACUTIS
(10 / Outubro / 2020)
Assis – Itália
Santuário do Farrapo   Basílica Papal de São Francisco de Assis. ⛪
As transmissões serão realizadas por Maria Visão Itália no canal do youtube, e outras páginas católicas que provavelmente o fazem, pois estão a somar-se a este grande apostolado, certamente também EWTN, mas aqui lhes deixamos os horários de alguns países para que Fiquem atentos, não se preocupem que nesse dia a Beatificação do Carlo será tendência em todo lugar e todos poderão vê-la sem problemas.
Uma cortesia dos Devotos de Carlo Acutis ao redor do mundo. 🌍
Partilhamos convosco os horários em alguns países:
🔴 Itália: 16:30 hrs (4:30 pm)
🔴 Colômbia: 9:30 AM
🔴 México: 9:30 AM
🔴 Filipinas: 22:30 hrs (10:30 PM)
🔴 Brasil: 11:30 AM
🔴 Paraguai: 11:30 AM
🔴 Argentina: 11:30 AM
🔴 Chile: 11:30 AM
🔴 Equador: 9:30 AM
🔴 O Salvador: 8:30 AM
🔴 Costa Rica: 8:30
🔴 Venezuela: 10:30 AM
🔴 Guatemala: 8:30 AM
🔴 Honduras: 8:30 AM
🔴 Porto Rico: 10:30 AM
🔴 EUA (EUA): 10:30 AM
🔴 Peru: 9:30 AM
🔴 Panamá: 9:30 AM
🔴 República Dominicana: 10:30
🔴 Espanha: 16:30 hrs (4:30 PM)
🔴 Nicarágua: 8:30
🔴 Bolívia: 10:30 AM
🔴 Cuba: 10:30 AM
🔴 Uruguai: 11:30 AM
🔴 Índia: 8:30 PM
🔴 Portugal: 15:30 hrs (3:30 PM)
Estamos todos convidados para esta grande festa da Beatificação do nosso Venerable Carlo Acutis.
❤️ Unidos em oração.

Natividade de Maria

Os filhos são a bênção do Senhor, o fruto das entranhas, sua dádiva” (Sl 126,3).

A Sagrada Escritura nos revela a beleza dos filhos na vida dos pais, e revela isso explicando que os filhos são bênçãos de Deus. Essa verdade precisa ser assimilada e difundida por todos os que são cristãos, pois é preciso defender a vida.

O nascimento de Maria também é celebrado pela Igreja e não somente seu nascimento para o céu, como é feito com os outros santos. Todos os filhos são bênçãos, presentes de Deus, então como não reconhecer em Maria, Mãe de Deus, a extraordinária beleza de ser filha e Mãe, totalmente escolhida por Deus? Escolhida para nascer e viver junto aos seus pais com fidelidade a eles e a Deus e quando chegou o tempo de tornar-se a Mãe do Filho de Deus, pode viver o milagre de ser concebida pelo Espírito Santo. São Cirilo de Alexandria diz em sua homilia no Concilio de Éfeso: “Ela é mãe e virgem. Que coisa admirável! Este milagre me deixa extasiado. Quem jamais ouviu dizer que o construtor fosse impedido de habitar no templo que ele próprio construiu? Quem se humilhou tanto a ponto de escolher uma escrava para ser sua própria mãe?”.

Deus nos ensina de todas as formas a vivermos segundo a Sua vontade, como Maria, a nos sentirmos escolhidos por Seu Amor, e cabe a nós estarmos de coração aberto para correspondermos ao seu plano amoroso para cada um de nós. Ele partilhou conosco sua própria mãe. Deus é assim, Deus é partilha.

Ao refletirmos sobre a vida de Nossa Senhora podemos fazer a leitura de que Deus realmente é Amor e Seu maior desejo é nos dar vida plena. Que possamos vivê-la em comunhão, descobrindo e revelando o verdadeiro sentido da vida e da felicidade: dar-se pelo outro. O fundador da Comunidade Arca da Aliança, diácono Elias, sempre nos diz que não podemos ser felizes sozinhos, fomos feitos para viver em comunhão, pois o dom que falta a um foi dado por Deus ao outro e assim nos completamos.

Aceite o convite de Deus para você e viva o verdadeiro amor como um caminho de partilha e comunhão, e não de individualismo e solidão. O ensinamento de Jesus, “Amai-vos uns aos outros, como Eu vos amei” (Jo 15,12), é caminho a ser percorrido diariamente com a intercessão de Maria, Seta indicadora do caminho.

Seja um sinal da Presença de Deus para o mundo, como Maria.

08 de Setembro – Natividade de Nossa Senhora

Luciane Mara Busse – Missionária Consagrada Arca da Aliança

 

Santíssima Trindade

A Solenidade da Santíssima Trindade, Deus que é comunidade de amor. Deixemo-nos envolver por este mistério e manifestemos ao Senhor a nossa fé, a qual é alimentada por sua graça eficaz. A Solenidade que hoje celebramos não é um convite a decifrar o mistério que se esconde por detrás de “um Deus em três pessoas”; mas é um convite a contemplar o Deus que é amor, que é família, que é comunidade e que criou os homens para os fazer comungar nesse mistério de amor.

Na primeira leitura(cf. Ex 34,4b-6.8-9), o Deus da comunhão e da aliança, apostado em estabelecer laços familiares com o homem, auto-apresenta-Se: Ele é clemente e compassivo, lento para a ira e rico de misericórdia. A primeira leitura revela que Deus é Pai misericordioso, paciente, não age com precipitação, sabe esperar, dá sempre um prazo esperançoso a cada um de nós para nossa conversão, é rico em bondade, nunca se irrita conosco, tolera nossas misérias, dá coragem e força para enfrentarmos os desafios do dia a dia e jamais não abandona, por pior que seja o pecado que tenhamos cometido, está sempre disposto a perdoar diante de um arrependimento sincero. Deus é sempre fiel e trata-nos como filhas e filhos muito amados.

Na segunda leitura(cf. 2Cor 13,11-13), São Paulo expressa – através da fórmula litúrgica “a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco” – a realidade de um Deus que é comunhão, que é família e que pretende atrair os homens para essa dinâmica de amor. A segunda leitura continua revelando quão amoroso é nosso Deus. Quando o ser humano dispensou Deus de sua vida pensando que poderia subsistir sozinho, distanciou-se dele, fugiu de sua intimidade, rejeitou sua amizade, tornou-se indiferente a Deus e, como consequência, perdeu-se totalmente, vendo-se sem esperança de salvação. Mas Deus mostrou que sempre esteve próximo e, para resgatar o homem, saiu ao seu encontro por Jesus Cristo, seu Filho, para lhe oferecer amizade, amor, comunhão e salvação.

No Evangelho(cf. Jo 3,16-18), João convida-nos a contemplar um Deus cujo amor pelos homens é tão grande, a ponto de enviar ao mundo o seu Filho único; e Jesus, o Filho, cumprindo o plano do Pai, fez da sua vida um dom total, até à morte na cruz, a fim de oferecer aos homens a vida definitiva. Nesta fantástica história de amor (que vai até ao dom da vida do Filho único e amado), plasma-se a grandeza do coração de Deus. O Evangelho revela-nos outra verdade inimaginável: o amor de Deus é também uma pessoa, o Espírito Santo que nos restaura e santifica para podermos viver eternamente com Deus. Deus nunca fechou e jamais fechará as portas de seu coração, de sua amizade, mas respeita nossa opção; ele não obriga nenhuma de seus filhos a voltar para casa; viver eternamente com Ele ou, então, desterrados fora da nossa verdadeira e definitiva casa, depende de nós. Sabemos quem é nosso Deus, mas não basta um conhecimento teórico, não basta saber coisas sobre Ele e falar dele; isso ainda não é fé. É necessário entrar em contato com Deus, conversar com Ele pela oração; ter abertura para Deus, escutá-lo, “encharcar-se” com sua Palavra nas Sagradas Escrituras e responder a Ele amando concretamente as pessoas, começando com aquelas com as quais convivemos, porque Deus as ama e somos todos seus filhos e filhas.

Dom Eurico dos Santos Veloso